quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Ouro sobre azul


Nunca antes esta expressão tinha alcançado a plenitude do seu significado.
Nunca, até há poucos dias atrás.

Poder entregar-lhe o seu prémio, ali, no sofá vermelho da sala. 
E saborear, intensamente, cada pedacinho daquele momento.





- Sabes o que seria ouro sobre azul, neste preciso instante? - perguntei-lhe, encostada ao seu coração em gota acelerado pelo esforço que acabara de fazer.
Um sorriso maroto, foi a resposta que me deu. 
[Para quem não sabe, equivale a um sim convicto, na linguagem dos malandros.]

Ainda bem que me atrevi a perguntar.

Porque os paparazzi só se dão ao trabalho de flashar gente importante* #38











* tipo a Bolachita e eu. Qual a dúvida?

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Há dias em que quase me apetece acreditar num mundo melhor


Hoje, o meu pai enterrou parte de uma barra de ferro junto à minha figueira. 
Com um cordel, atou a figueira à barra para a endireitar. 
Estava a crescer torta. A descair para um lado. 
Andava assim, em maus lençóis, há meses e meses.

Hoje, o meu pai endireitou a minha figueira.
Agora já pode crescer, à revelia.
Até ao céu.

Hell yeah!! #67 - ESPECIAL


Então mas... ó Mam'Zelle, especial porquê?, perguntam vocês.

E eu respondo-vos, com todo o gosto. 
Especial porque, contrariamente ao habitual nesta espécie de rubrica, este post foi criado por causa de um outro, anteriormente publicado neste castiço casebre.

Lembram-se de ter falado AQUI daquele meu desalento, quando me foi oferecido um biquíni novo? 

Pois bem. Eu cá não consegui esquecer certos comentários que, achando um desperdício o dito biquíni só ser usado para o próximo ano, me incentivavam a quebrar a minha regra do um-dia-de-praia-por-ano-chega-e-sobra. Ficaram-me aqui a remoer na mioleira, o raio dos comentários. Porque o certo é que gosto de acatar os conselhos que me são dados de bom grado. No entanto, teimosa íntegra, também gosto de manter os meus princípios. Firmes e... inabaláveis. (qual hirtos qual quê. eu dou-vos a barra de ferro. e é no lombo. adiante.)

Cheguei, então, a um meio termo que, diga-se de passagem, foi sábia e astutamente bem pensado. Por mim. Obviamente. 
Aqui vai ele. 
Sabem aquela máxima do "ir para fora cá dentro"? Pois bem. Peguei nela e usei-a. À letra.





Então, hein? Impressionados? É muito natural que assim seja. Eu própria fiquei orgulhosa da minha esperteza. saloio és tu. e não é pouco. xô!

Conclusão: no final de contas, toda a gente fica feliz e contente. E isso é que importa.
Certo? 






nota: quem conseguir encontrar algo 'errado', ganha uma foto autografada aqui da Mam'Zelle. Haverá prémio melhor?

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

E é isto #15

Acabou-se o verão.
O céu passa os dias triste.
A minha figueira já não dá figos.
A Bolachita anda doente.
Parece que me pegou a maleita.
A casa arrefeceu.
Já não largo as meias.
Há lenços de papel ranhosos por todo o lado.

Não gosto nem um tico do Outono.
Muito menos gosto do Inverno.
Não gosto de nada do que para aí vem.

Não é só o céu que anda triste.






nota
eu sei. eu sei que o tempo até melhorou. é no que dá publicar um post com quase uma semana de atraso.  (não é por acaso que publico isto à noite. dá menos barraca. visto que o sol já se pôs. pelo menos para quem me lê nos fusos horários mais próximos. e ler isto antes de o sol voltar a levantar-se. enfim...) mas o resto está todo certo. 
a Bolachita está melhorzita e eu também, pronto. 
ok, ok, por isso mesmo, há um tico menos de lenços de papel ranhosos espalhados pela casa fora, admito. 
de resto, confere tudo.

Heaven yeah!! #16