sexta-feira, 20 de maio de 2016

Quem tem filhos...*


Há uns tempos atrás, a Bolachita veio do fim-de-semana como nunca antes tinha vindo. 
Não queria nada comigo. Nem sequer queria olhar para mim. Quando tentei pegar nela, gritou, esperneou, rebolou no chão. Parecia ter o diabo no corpo. Parecia que nunca antes me tinha visto. Parecia que a própria mãe era uma autêntica desconhecida para ela. Pior do que isso, parecia que lhe tinha feito algum mal para ela reagir daquela forma comigo.
Aquilo passou. No dia a seguir, estava como se nada fosse. 
Mas aquela cena mexeu comigo. Bastante. Muito mais do que quis, até agora, admitir a mim mesma. 
A minha sorte foi não estar sozinha, naquele dia. A minha sorte foi tê-lo, naquele momento, a abraçar-me com toda a força - enquanto eu segurava umas quantas lágrimas que teimavam em tentar irromper destes meus olhos - e dizer-me o quão importante sou para ele. A minha sorte, naquela noite, foi poder adormecer agarrada a quem me ama. eu sei que te agradeci na altura. não sei é se te agradeci o suficiente.

Nos últimos dias, a Bolachita tem andado particularmente... sei lá eu como qualificar o modo como ela tem andado... lamechas? carente? ou outra coisa do género. O certo é que só pede colo. O certo é que quando não posso pegar-lhe - porque tenho de fazer o comer, ou lavar a loiça, ou pôr a máquina a lavar, ou estendê-la, etcétera e tal - ela começa a chorar, com os bracitos levantados na minha direcção. Ou, então, quando o desespero é mais que muito, agarra-se às minhas pernas e tenta trepar por mim acima. Paciência zero, esta miúda. Depois, quando lhe faço a vontade, abraça-me com tanta força que temo que me parta os ossinhos todos. E enche-me de beijos. Há dois ou três dias, depois de um abraço daqueles de tirar o fôlego, entre uns quantos hummmmm's de satisfação, olha para mim, agarra-me na cara e diz: tão fofa, mamã. Juro. Nem eu quis acreditar no que tinha acabado de ouvir. 

Não sei se é uma qualquer lei da compensação que decidiu por-se a funcionar de repente. 
Não sei se é simplesmente a lei natural das coisas.
Não sei se é a minha filha que sofre de uma bipolaridade afectiva qualquer, mas só mesmo comigo.
O certo é que dou um braço para ela não voltar a dizer-me aquilo. 
Uma pessoa tem uma certa reputação. Uma pessoa não quer perder essa reputação sólida - que demorou anos a construir, atenção - por causa dos devaneios de uma pirralhita. É que, verdade seja dita, uma pessoa não pode vacilar. Não pode nem deve.

E é isto.






nota: não deveria ser necessário acrescentar isto, mas a verdade é que a ironia é a melhor arma que tenho em meu poder. neste momento, diria até que é a única que valha a pena usar. não se ralem comigo.

* ... tem cadilhos, diz a sabedoria popular materializada num gajo que gosta muito de me atazanar o juízo.

16 comentários:

  1. nã imagino o que seja, mas já me tinham dito que até as melhores reputações vacilam... cuidado, parecem inocentes, pequenitos, nã fazem mal a uma mosca e vais a ver, adeus mau feitio! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uiiiii... Manel é muito pouco provável. Este meu feitio veio de fabrico mesmo. Está intrinseca e eternamente agarrado ao meu ser. Acho. ;)

      Eliminar
    2. vou passando para confirmar... mas nã te esqueças de renovar os documentos ou podes ser expulsa da nossa confraria!
      :)

      Eliminar
    3. Faz isso. Vai passando sempre. :) Eheheh. Expulsa? Eu? Não me parece. É que vou renovando/confirmando o meu estatuto todos os dias. Não há como enganar. :D

      Eliminar
  2. Sr. Biólogo que trabalhou ao lado de J.-Y. Cousteau20 de maio de 2016 às 13:26

    Duas lapas. Agarradas. 24h\dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo errado.
      Em primeiro lugar. Eu não durmo com a minha filha. Nem a sesta, nem de noite. Por isso, pode já retirar aí umas dez horas às suas disparatadas contas.
      Em segundo lugar. Está a fugir com o rabinho à seringa ou, para si, toda a gente é lapa?
      Que falta de originalidade, dios mio.

      Eliminar
  3. Ai tão fofa a mamã como a bolachitaaaaa :D
    ADORO!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mau... que já não estou a gostar nada da conversa...
      :p

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Ai ai ai ai ai... não vejo nada, ok?! tu não me irrites, ó Ella! ;p

      Eliminar
  5. Ela não querer nada ctg é sinal que teve saudades tuas e sentiu a tua falta. Como ficou triste por não estares com ela, quando te viu estava "sentida". É super normal e comum, ela ama.te. És a coisa "fofa" dela. Talvez com 14 anos pareça novamente nao gostar de ti. Nao te deixes enganar :P

    P.S. Nem imaginas como fiquei feliz por ti quando referiste o "dormir ao lado de quem me ama" :) tão bom ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha ela a tentar virar a situação a meu favor. És uma fixe, isso sim, Anouska. :) Ahahahahah! Eu? A coisa fofa? Menos Anouska. Muito menos! :D O importante é que eu nunca vou deixar de gostar dela. Isso é certo. ;)

      p.s. uiiiiiii... tão romântico-lamechas que ela é. São só palavras, pá. ;p

      Eliminar
    2. Tudo verdade :P sem lamechices!

      Eliminar
    3. Ok, ok. Com assim, sem lamechices? Se tu és A lamechas... ;p

      Eliminar
  6. :)

    Podia estar mais irritada naqueles dia, se calhar é como todos nós, por vezes queremos muito e outras não

    Deixo-te um beijinho, tudo passou :)

    ResponderEliminar